SINJ-DF

Legislação correlata - Lei 6372 de 11/09/2019

DECRETO Nº 37.647, DE 20 DE SETEMBRO 2016

Dispõe sobre a regulamentação das atribuições, competências e composição do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Distrito Federal - CODDEDE, e dá outras providências

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o inciso VII do artigo 100 da Lei Orgânica do Distrito Federal,

DECRETA:

Art. 1º O Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Distrito Federal - CODDEDE, criado pelo artigo 23, do Ato das Disposições Transitórias, da Lei Orgânica do Distrito Federal, órgão de representação participativa direta do segmento das pessoas com deficiência no Distrito Federal, de natureza permanente e atuação independente, de composição paritária e caráter deliberativo, rege-se pelas regras e procedimentos previstos neste Decreto.

Art. 2º O CODDEDE está vinculado à Secretaria de Estado do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos.

§ 1º No caso de alteração na estrutura administrativa do Distrito Federal, o CODDEDE permanecerá vinculado ao órgão responsável pela definição da política distrital de pessoas com deficiência.

§ 2º A Secretaria de Estado a qual estiver vinculado administrativamente o CODDEDE incumbe prestar o apoio técnico-administrativo à Secretaria-Executiva do Colegiado, garantindo todos os recursos materiais, financeiros e humanos necessários ao seu regular funcionamento, assim como para o desempenho de suas atribuições e competências.

§ 3º As reuniões do Conselho ocorrerá em local que atenda às normas de acessibilidade tanto na parte interna quanto na parte externa, além de serem disponibilizadas instalações dotadas de equipamentos e mobiliário adequados, assegurando que os elementos de acesso e de comunicação utilizados atendam as especificidades de todas as deficiências.

Art. 3º Ao Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Distrito Federal - CODDEDE compete:

I - formular diretrizes e propor políticas públicas destinadas às pessoas com deficiência;

II - monitorar as ações setoriais da política distrital da pessoa com deficiência;

III - participar da formulação e do monitoramento dos planos, programas, projetos e ações da Administração Pública Direta e Indireta do Distrito Federal, relativos às pessoas com deficiência;

IV - zelar pela efetiva implantação da Política Distrital para Inclusão Social das Pessoas com Deficiência;

V - acompanhar a elaboração e a execução da proposta orçamentária do Distrito Federal, sugerindo as modificações necessárias à fiel execução da Política Distrital para Inclusão Social da Pessoa com Deficiência;

VI - zelar pela efetivação do sistema descentralizado e participativo de defesa dos direitos das pessoas com deficiência;

VII - propor a elaboração de estudos e pesquisas que objetivem a melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiência;

VIII - propor e incentivar a realização de campanhas visando à prevenção de deficiências e a promoção, proteção e garantia dos direitos das pessoas com deficiência;

IX - elaborar relatórios periódicos sobre o andamento da execução dos planos, programas, projetos e ações aprovadas e destinadas ao atendimento de direitos das pessoas com deficiência, apontando as falhas ou omissões no preparo ou execução dos mesmos e propondo soluções;

X - atuar como instância de apoio à pessoa com deficiência nos casos de denúncias e reclamações formuladas perante o CODDEDE por quaisquer pessoas ou instituições representativas do segmento, quando ocorrer suspeita, ameaça ou for comprovada violação de direitos de pessoas com deficiência;

XI - propor as medidas necessárias à implantação e ao desenvolvimento dos planos, programas, projetos e ações governamentais, inclusive as pertinentes a recursos e as de caráter legislativo;

XII - promover articulação com os órgãos e entidades governamentais e com a iniciativa privada do Distrito Federal, objetivando a soma de esforços e recursos para a inclusão social das pessoas com deficiência;

XIII - sugerir a celebração de acordos, contratos ou convênios entre o Distrito Federal e outras pessoas jurídicas, de direito público ou privado, com a finalidade de incrementar o processo de inclusão social das pessoas com deficiência;

XIV - funcionar como instância consultora do governo e da sociedade civil em questões que se refiram a inclusão social das pessoas com deficiência;

XV - representar às autoridades competentes casos de violação ou ofensa a interesses e direitos das pessoas com deficiência, para apuração de responsabilidade;

XVI - monitorar a implementação da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência;

XVII - monitorar o cumprimento dos prazos fixados e acordados entre a Administração Pública, o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Distrito Federal - CODDEDE e o movimento social de pessoas com deficiência;

XVIII - colaborar para criação de uma rede de articulação e comunicação para o atendimento das determinações legais que alcancem as pessoas com deficiência;

XIX- solicitar ao titular do órgão a qual o CODDEDE é vinculado a capacitação contínua aos membros conselheiros na área de atuação do Colegiado;

XX - colaborar para a criação de rede de comunicação entre os membros conselheiros do Colegiado;

XXI - elaborar e submeter à apreciação do Governador o seu Regimento Interno;

XXII - convocar, quadrienalmente, a Conferência Distrital de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência;

XXIII - promover articulação com o Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - CONADE.

Art. 4º O Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Distrito Federal - CODDEDE é composto por 24 titulares e respectivos suplentes, sendo 12 representantes do poder público e 12 representantes da sociedade civil do Distrito Federal, conforme disposto a seguir:

I - representantes do poder público:

a) Secretaria de Estado do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos;

b) Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania;

c) Secretaria de Estado da Saúde;

d) Secretaria de Estado de Educação;

e) Secretaria de Estado de Políticas para Crianças, Adolescentes e juventude;

f) Secretaria de Estado de Esporte, Turismo e Lazer;

g) Secretaria de Estado de Gestão do Território e Habitação;

h) Secretaria de Estado de Infraestrutura e Serviços Públicos;

i) Secretaria de Estado de Mobilidade;

j) Departamento de Trânsito do Distrito Federal;

k) Agência de Fiscalização do Distrito Federal;

l) Defensoria Pública do Distrito Federal.

II - representantes da sociedade civil:

a) Instituição representativa do segmento de Pessoas com Deficiência Visual;

b) Instituição representativa do segmento de Pessoas com Deficiência Intelectual;

c) Instituição representativa do segmento de Pessoas com Deficiência Auditiva;

d) Instituição representativa do segmento de Pessoas com Deficiência Física;

e) Instituição representativa do segmento de Pessoas com Transtornos do espectro autista;

f) Instituição representativa do segmento de Pessoas com deficiência múltipla;

g) Instituição representativa do segmento de síndromes que causam deficiência;

h) Instituição representativa do segmento de patologias que causam deficiência;

i) Instituição representativa das centrais sindicais nacionais do segmento dos trabalhadores, com representação no Distrito Federal e atuação na área de atenção aos trabalhadores com deficiência;

j) Instituição representativa da comunidade científica, cuja atuação seja correlata aos objetivos das políticas de inclusão social da pessoa com deficiência;

k) Associação Comercial do Distrito Federal;

l) Ordem dos Advogados do Brasil - OAB.

Parágrafo único. Os conselheiros (as) serão designados por ato do Governador do Distrito Federal.

Art. 5º Os conselheiros representantes do poder público, titulares e suplentes, serão indicados pelos titulares dos órgãos mencionados no inciso I, do artigo 4º deste Decreto.

Art. 6º Os conselheiros definidos como representantes do poder público previstos no inciso I do art. 4º, deverão ter, preferencialmente, afinidade com a área de atuação do CODDEDE.

Art. 7º As instituições da sociedade civil definidas nas alíneas de "a" a "j" do inciso II do artigo 4º deste Decreto, serão eleitas, para mandato de 3 anos, em escrutínio específico para cada uma das áreas a ser representada, em consonância com as disposições do Regimento Interno.

Parágrafo único. Os conselheiros (as), titulares e suplentes, representantes das instituições referidas neste artigo serão indicados pelos titulares das instituições eleitas.

Art. 8º O processo eleitoral para escolha dos representantes da sociedade civil, titulares e suplentes, será normatizado no Regimento Interno do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Distrito Federal - CODDEDE, respeitadas as determinações do presente Decreto.

Parágrafo único. O processo eleitoral dos representantes da sociedade civil será coordenado por uma Comissão Eleitoral, nos termos do Regimento Interno, e a eleição será convocada pelo Presidente do CODDEDE até 60 dias antes do término do mandato, por meio de edital publicado no Diário Oficial do Distrito Federal.

Art. 9º As instituições representativas dos segmentos definidos nas alíneas de "a" a "j" do inciso II do artigo 4º deste Decreto, só poderá se candidatar e votar em uma das representações, conforme disposto no Regimento Interno.

Art. 10. Encerrado o processo eleitoral será dada publicidade a Ata contendo o resultado da eleição e a listagem com o respectivo número de votos recebido por cada instituição, que estabelecerá sua posição nas linhas representativa e sucessória, dispostas no Regimento Interno.

Art. 11. A titularidade da cadeira de membro conselheiro do CODDEDE é de responsabilidade da instituição representativa, respeitadas as disposições do Regimento Interno.

Parágrafo único. A instituição detentora da titularidade da cadeira de representação da sociedade civil no CODDEDE poderá, a qualquer tempo, substituir sua indicação na forma e condições estabelecidas no Regimento Interno.

Art. 12. Os conselheiros representantes da sociedade civil, titulares e suplentes, definidos nas alíneas "k" e "l" do inciso II do artigo 4º deste Decreto, serão indicados pelos titulares das instituições representativas.

Art. 13. A função de conselheiro é considerada, para todos os fins, como de especial relevância pública, e não será remunerada.

Art. 14. O CODDEDE será representado por seu Presidente e, na sua falta ou impedimentos, por seu Vice-Presidente.

§ 1º O Presidente e o Vice-Presidente serão eleitos pela maioria absoluta dos membros do Colegiado, para mandato de 3 anos.

§ 2º Em caso de falta ou impedimento de ambos, o Conselho será representado por Conselheiro (a) indicado pela Plenária, conforme disposto no Regimento Interno.

§ 3º A cada novo triênio, a Presidência e a Vice-Presidência serão ocupadas por um representante do poder público e outro da sociedade civil, sendo alternada essa ordem a cada novo mandato.

Art. 15. O CODDEDE reunir-se-á ordinariamente uma vez por mês, preferencialmente na primeira quarta-feira do mês, e extraordinariamente, sempre que convocado, em conformidade com o disposto no Regimento Interno.

§ 1º As reuniões ordinárias ou extraordinárias do CODDEDE são abertas à participação e têm caráter público, salvo àquelas em que for requerido sigilo, conforme disposto no Regimento Interno.

§ 2º O Presidente poderá convidar para participar das reuniões ordinárias e extraordinárias do Conselho membros dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, ou integrantes do Ministério Público, Defensoria Pública, além de pessoas de notória especialização ou experiência/vivência em assuntos de interesse da pessoa com deficiência.

§ 3º Os convidados e visitantes terão direito de se manifestar nas reuniões com direito a voz, em conformidade com as disposições do Regimento Interno.

Art. 16. As deliberações do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Distrito Federal - CODDEDE serão formalizadas em Resoluções ou outros instrumentos julgados necessários, nos termos do Regimento Interno e serão tomadas com o seguinte quórum:

I - para propor alterações do presente Decreto e do Regimento Interno, 2/3 do Colegiado;

II - para destituição de conselheiro(a), 2/3 do Colegiado;

III - para eleição do Presidente e do Vice-Presidente, maioria absoluta do Colegiado;

IV - para eleição da Comissão Eleitoral, maioria absoluta do Colegiado;

V - para as demais deliberações, maioria simples dos presentes.

Art. 17. O extrato das atas das reuniões ordinárias e extraordinárias do CODDEDE será publicado no Diário Oficial do Distrito Federal.

Art. 18. O CODDEDE manterá cadastro atualizado das instituições que atuam na área de atenção às pessoas com deficiência.

Art. 19. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 20. Revogam-se as disposições em contrário, em especial os Decretos nº 20.688/1999, nº 27.987/2007, nº 31.512/2010 e nº 37.719/2010.

Brasília, 20 de setembro de 2016

128º da República e 57º de Brasília

RODRIGO ROLLEMBERG

Este texto não substitui o publicado no DODF nº 179 de 21/09/2016